doenca-de-alzheimer

A mente ameaçada pelo Alzheimer

Mal sem cura

Paloma Oliveto (texto) e Valdo Virgo (arte)

O mal degenerativo e outras formas de demência comprometem os processos cognitivos e o dia a dia de 47,5 milhões de pessoas no mundo. Pesquisadores buscam formas de conter essas doenças

Há até pouco tempo, eles eram chamados de caducos ou esclerosados. Muitos, tachados de loucos. Entre os leigos, acreditava-se que o embotamento da mente era processo inevitável da velhice. Hoje, sabe-se que a idade avançada não traz com ela, necessariamente, o declínio cognitivo. Contudo, é um dos fatores de risco da demência, um conjunto de condições neurológicas que têm no Alzheimer o mal mais comum.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) diz que, em todo o planeta, 47,5 milhões de pessoas têm demência, com 7,7 milhões de novos casos anualmente. No Brasil, a estimativa da Associação Brasileira de Alzheimer (Abraz) é que 1,2 milhão já sofra os efeitos da neurodegeneração. Com o rápido aumento da expectativa de vida — 74,5 anos em 2014, contra 43,3 em 1950 — e uma explosão no número de octogenários, é de se esperar que esse quadro se agrave em um futuro muito próximo. De acordo com o geriatra Otávio Castello, diretor científico da Abraz-DF, a prevalência dessa condição é progressiva, dobrando a cada sete anos. Aos 80 anos, 30% das pessoas têm demência. Aos 90, metade sofre do problema.

Embora sejam doenças neurológicas, as demências têm forte impacto psicossocial. “Elas afetam duas coisas: a cognição e o comportamento. A cognição pode ser resumida como as funções intelectuais superiores, como a memória, a atenção, a linguagem, a capacidade de entender e se expressar, a capacidade de reconhecimento de nomes, pessoas, a orientação no tempo e no espaço”, enumera Castello. “Além disso, as demências afetam, em grau variado, o comportamento. Todo tipo de comportamento: sintomas depressivos, ansiosos, delírios, alucinações, alterações de sono e de apetite, de controle sexual, tudo que existe de comportamento humano pode ser alterado”, ensina.

Fonte: Correio Braziliense – http://especiais.correiobraziliense.com.br/a-mente-ameacada-pelo-alzheimer